Rio inicia 6ª fase de flexibilização e autoriza museus, galerias de artes, parques e bibliotecas

Prefeitura inicia 6ª etapa do processo de retomada de atividades econômicas em etapas. Cinema, teatro, lonas e arenas continuam proibidos.

Fonte: G1

A prefeitura do Rio anunciou, na manhã desta segunda-feira (31), que a 6ª fase do processo de retomada de atividades econômicas durante a pandemia do coronavírus acontecerá em etapas. Na fase 6A, que começa nesta terça (1°), poderão reabrir museus, galerias de artes, parques de diversão, bibliotecas e centros culturais, mas seguindo as regras de ouro. Cinema, teatro, lonas e arenas continuam proibidos.

“Entendemos que é possível dar continuidade na fase 6-A. Vamos apresentar uma subdivisão da fase 6, como fizemos na fase 3, que têm um número maior de atividades, que podem impactar na curva de contaminação”, afirmou Flávio Graça, superintendente de Inovação, Pesquisa e Educação da Vigilância Sanitária, durante coletiva de imprensa no Riocentro.

De acordo com Graça, haverá também a fase 6-B, e depois disso, um período conservador, que, segundo ele, deverá se estender até o ano de 2021, quando poderá haver uma vacina.

“A expectativa é que a fase 6-B ocorra a partir do dia 1 de outubro e o período conservador comece no dia 1 de novembro, se estendendo até o ano que vem”, explicou.

A partir de agora, as novas fases de flexibilização terão duração de 30 dias e não mais 15, como vinha acontecendo.

Nesta fase, de acordo com Graça, cursos profissionalizantes e de capacitação, que são geralmente fornecidos ou por empresas ou por instituições, poderão ser realizados de forma presencial respeitando os critérios de segurança e afastamento.

“Duas coisas que nos preocupam: as praias e os bares. Os restaurantes estão de parabéns, mas os bares não”, destacou o prefeito Marcelo Crivella.

“Não dá para considerar a doença curada. Observando o comportamento de pessoas nas praias, que pessoas ficam sem máscara e se aglomerando. Não podemos ser egoístas. Nos precisamos da ajuda da população para que não haja um retrocesso no nosso planejamento”, afirmou a secretária de Saúde, Beatriz Busch.

De acordo com a prefeitura, a cada nova fase de flexibilização, as autoridades municipais se reúnem com um comitê científico e analisam os números de casos da Covid-19 no Rio. Entre os critérios analisados estão o número de pessoas infectadas e a ocupação de leitos.

Neste domingo (30), o Rio de Janeiro alcançou o 11º dia seguido com tendência de alta na média móvel de mortes por coronavírus. São 16.027 óbitos e 223.302 casos confirmados no estado, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES).

Durante o fim de semana, banhistas ignoraram a proibição e ocuparam as faixas de areia das praias. O decreto municipal liberou os ambulantes e o banho de mar, mas não a permanência na areia.

O prefeito também mencionou que uma pesquisa feita com pais de alunos da rede municipal mostra que 60% dos pais são contra e 40% são a favor da volta às aulas nas escolas municipais.

Regras de Ouro da Prefeitura do Rio para a reabertura da cidade — Foto: Infografia: Fernanda Garrafiel/G1
Regras de Ouro da Prefeitura do Rio para a reabertura da cidade — Foto: Infografia: Fernanda Garrafiel/G1