Manifestações contra cortes na educação ocorrem em 16 estados e no DF

Por:UOL

Professores, estudantes e trabalhadores da educação participam desde as primeiras horas da manhã de manifestações em defesa das universidades federais, da pesquisa científica e do investimento na educação básica. Por volta das 11h, eram contabilizadas protestos em ao menos 16 estados (Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo) e no Distrito Federal.

Os atos acontecem após o MEC (Ministério da Educação) anunciar um congelamento orçamentário que atinge recursos desde a educação infantil até a pós-graduação, com suspensão de bolsas de pesquisa oferecidas pela Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Os maiores protestos são esperados para o período da tarde em São Paulo e no Rio.

Na capital paulista, o ato está marcado para as 14h, no Masp, na avenida Paulista. Mas alunos e docentes da USP (Universidade de São Paulo) iniciaram a manifestação por volta das 8h nos arredores da instituição, que fica na zona oeste de São Paulo, bloqueando ruas e avenidas do entorno.

No Rio, algumas pessoas já se concentram nesta manhã na Cinelândia, no centro, para as aulas públicas antecederão o ato que acontecerá à tarde. A concentração será na Candelária, palco habitual de protestos na cidade. No início da noite, será realizada uma caminhada até a Central do Brasil.

Eduardo Matysiak/Futura Press/Estadão Conteúdo
Freis franciscanos participam de protesto em CuritibaImagem: Eduardo Matysiak/Futura Press/Estadão Conteúdo

Em Curitiba, os primeiros a chegarem no protesto contra os cortes na educação foram freis franciscanos. Eles ergueram faixas na praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. Os manifestantes se reuniram no prédio histórico da UFPR (Universidade Federal do Paraná) e realizaram uma caminhada, bloqueando ruas da região central. Estudantes, professores e servidores da universidade participam do protesto, além de alunos de escolas e faculdades privadas da cidade.

Na região metropolitana da capital paranaense, metalúrgicos também fizeram protestos em diversas fábricas contra os cortes. A entidade informou que 20 mil trabalhadores participaram dos atos.