Governo do Acre decreta estado de calamidade em 10 cidades

Enchentes dos últimos levaram o governador Gladson Cameli a instaurar medidas excepcionais na capital Rio Branco e outros municípios atingidos, que já registram mais de 130 mil pessoas desabrigadas

Fonte: Revista Fórum

As cheias que afetaram cinco rios importantes do Acre nos últimos dias levaram o governador Gladson Cameli a decretar estado de calamidade pública em 10 cidades do estado nesta segunda-feira (22).

Entre os municípios incluídos na decisão do governador estão a capital Rio Branco, além de Cruzeiro do Sul, Feijó, Jordão, Mâncio Lima, Porto Walter, Rodrigues Alves, Santa Rosa do Purus, Sena Madureira e Tarauacá.

As enchentes foram produzidas por vazantes em diversos rios que cruzam o estado. Alguns deles são o Rio Acre (que banha Rio Branco e registou cheia de15,43 metros), o Rio Juruá (em Cruzeiro do Sul, com cheia de 14,31 metros), o Rio Tarauacá (em Tarauacá, com cheia de 9,40 metros), o Rio Envira (em Feijó, com cheia de 14,49 metros) e o Rio Purus (em Santa Rosa, com cheia de 6,84 metros).

Outros pequenos rios que foram atingidos não possuem medição científica, mas provocaram danos nas outras cinco cidades que incluídas no decreto.

Segundo as autoridades locais, há mais de 130 mil pessoas desabrigadas no Acre devido às enchentes que aconteceram no estado. Todas elas eram moradoras dos municípios que o recente decreto abrange.

O presidente Jair Bolsonaro anunciou que irá visitar o Acre na próxima quarta-feira (24), na companhia do senador Márcio Bittar (MDB-AC).