Eles não se importam

Neste final de semana, foram divulgadas fotos das praias do Rio de Janeiro e São Paulo, fotos que em qualquer outro contexto, seria normal, mas, no momento atual, são imagens que dão desespero, agonia e raiva.

Por: Gabriela Sousa

O Brasil chegou a marca de mais de 120 mil pessoas mortas pelo novo Covid-19. 120 mil pessoas que se foram, 120 mil histórias, 120 mil parentes, amigos que partiram. Como que mesmo com os dados e números divulgados todos os dias, existem pessoas que conseguem se divertir, que conseguem ir para festas, ou a praia? Não temos razões para celebrar.

O governo fez algumas flexibilizações, que eram necessárias, reabriu comércios, bares, restaurantes, mas a aglomeração é algo que ainda deve ser evitada e infelizmente, isso está acontecendo cada vez mais, de forma inadequada e perigosa, como se tudo estivesse normal e a pandemia houvesse acabado.

O momento é difícil para todos, principalmente para aqueles que ainda seguem fazendo isolamento social, e que hoje, são motivo de gozação, são constrangidos por estarem seguindo à risca, uma situação que deveria ser totalmente ao contraio, pois, as pessoas que estão quebrando a quarentena é que realmente deveriam ser motivo de constrangimento.

A impressão que dá é que tudo o que está acontecendo, todos os casos, não assustam mais e que grande parte da população já se acostumou, e a empatia que tanto é falada nos dias de hoje, simplesmente não existe.

Uma hora todos nós teremos que retomar nossa rotina, nossas atividades, mas não desse jeito, no desespero, na loucura e principalmente colocando sua vida, a dos outros e a dos seus em risco.

O momento é difícil, mas ele vai passar.

Tenham calma, protejam-se e fiquem em casa.

Crédito da imagem em destaque: Wilton Júnior