Cristiane, a artilheira da seleção que voltou para reerguer o futebol feminino no Brasil

Com três gols na estreia da Copa, a camisa 11 ajudou a seleção a espantar a má fase dentro de campo. Fora dele, ela topou voltar ao Brasil em nome da modalidade

Por: Diogo Magri – El País

A atacante Cristiane foi a responsável pela boa estreia do Brasil na Copa do Mundo feminina contra a Jamaica, neste domingo, marcando três vezes na vitória por 3 a 0 em Grenoble, França. Aos 34 anos, a camisa 11, que não jogava pela seleção brasileira desde fevereiro de 2018 – e, portanto, não esteve presente nas nove derrotas do treinador Vadão que fizeram a equipe chegar contestada no Mundial – apareceu como grande referência do time sem Marta, chegando a 10 gols marcados em Copas do Mundo e acendendo a esperança de que o Brasil possa se reerguer com uma boa campanha em território francês. Com o hat-trick, ela se coloca entre Leônidas da Silva e Pretinha, as duas únicas figuras do futebol brasileiro que marcaram três gols em uma estreia de Copa. Se é uma estrela dentro de campo, fora dele ela é quase uma embaixadora; em 2019, Cris aceitou voltar para seu país e jogar a segunda divisão nacional pelo São Paulo, clube que está entre aqueles que começaram a colaborar com a estruturação profissional da modalidade no Brasil

O sucesso de Cristiane já era visível em sua apresentação no clube paulista, no dia 26 de março, no estádio do Morumbi. Naquela terça-feira pela manhã, uma fila de repórteres e cinegrafistas rodeava o treino da equipe de futebol profissional do São Paulo, onde flagravam atividades de bola parada orientadas pelo treinador e focavam os cliques na principal novidade do time, que estava treinando pela primeira vez com a camisa do novo clube. Qualquer desavisado acharia que, devido à quantidade de câmeras, aquilo se tratava da apresentação de uma das estrelas do milionário time masculino tricolor, como Alexandre Pato ou Hernanes, mas não da nova atacante da equipe feminina. “É uma grande oportunidade de fazer crescer a visibilidade em cima do futebol feminino”, comentou Cris ao observar tanta mídia na beira do campo.

O que levou aquelas câmeras à apresentação de uma jogadora é o vasto currículo de Cristiane. Ela é a maior artilheira da história das Olimpíadas, em que tem duas medalhas de prata (2004 e 2008), foi a terceira melhor do mundo por duas vezes (2007 e 2008) e já venceu Pan-americano, Libertadores e Champions League. A atacante, principal parceira de Marta nos melhores tempos da camisa 10, veio para jogar a segunda divisão nacional no São Paulo em 2019. Isso porque o clube paulista se estruturou para voltar com seu time profissional feminino, depois de 13 anos de inatividade, na primeira temporada em que a CBF exige de todas as equipes da série A do campeonato brasileiro masculino um time profissional e um juvenil feminino. Começar do zero no adulto significa jogar a divisão de acesso no primeiro ano.

“Apesar de serem obrigados, sei que os times estão fazendo de boa vontade. [A regra] é importante para o crescimento da modalidade”, confia Cris. Ela se estende para todas as equipes masculinas que disputam competições da Conmebol, como a Libertadores. “Nada que é obrigado me cheira bem, porque é frágil. Se troca o presidente [da CBF], isso pode cair”, alerta Lucas Piccinato, treinador do São Paulo feminino. “Mas a medida agrega uma quantidade importante de marcas para a modalidade”, admite.

Piccinato, 29 anos, é mais novo que Cristiane. Há dez ele trabalha com formação de atletas no futebol feminino do Brasil, e há seis fazia parte da equipe técnica do Centro Olímpico, equipe paulistana, que foi campeã feminina brasileira com Cris no elenco. “Conhecia ela e participei da contratação”, diz o treinador. Piccinato veio para o São Paulo em 2017, quando o clube fechou uma parceria com as categorias de base do Centro Olímpico. No mesmo ano, a equipe foi campeã paulista sub-17, feito que se repetiria em 2018 – entretanto, o bicampeonato já veio com o projeto independente do Centro. “Desde que fui contratado, foi para montar o elenco profissional a longo prazo. O São Paulo foi atrás do Centro Olímpico formar o sub-17 sabendo que teria essa obrigatoriedade, e está a utilizando para fazer da forma mais profissional possível. Hoje anda com as próprias pernas”. O coordenador da categoria no São Paulo, Amauri Nascimento, defende que o planejamento tricolor não está ligado à nova regra da CBF. “A tendência é o futebol feminino se consolidar no clube, mesmo que a obrigatoriedade seja derrubada no futuro”.

Nascimento garante que a prova da consolidação está na forma como o clube se importou em voltar às atividades no profissional feminino. Em 2019, o elenco profissional foi formado por quatro jogadores promovidas do sub-17, uma vinda de peneira – na qual participaram 480 meninas – e o resto por investimento em contratações. Entre elas, Cristiane. A craque estava sem contrato após passagem pelo Changchun Dazhong, da China. Antes, vestiu as camisas tradicionais de Paris Saint-Germain, Santos e Wolfsburg, além dos 16 anos jogando pela seleção. Com um currículo tão cheio, o que a convenceu a voltar para o Brasil jogar a segunda divisão em um projeto iniciante? “Tive propostas do Barcelona e do Lyon, mas queria ficar no Brasil. E o São Paulo veio primeiro. Foi quem mais demonstrou interesse em mim, com um desafio de ser parte de um projeto de desenvolvimento”, responde a própria camisa 11.

No clube paulista, Cris ainda não conseguiu demonstrar a que veio. Com problemas físicos, a atacante priorizou a recuperação para a disputa do Mundial da França pela seleção e jogou somente duas vezes pelo São Paulo, sem marcar. Nada que impedisse boas campanhas do time, que lidera seus grupos na segunda divisão brasileira e no campeonato paulista da categoria. A situação deve ficar ainda melhor com a volta da jogadora que personifica o projeto do São Paulo. Cristiane sabe, no entanto, que sua missão diz respeito à modalidade e não só ao time. “Meu sonho era que esse momento chegasse; que as meninas, não só eu, pudessem voltar para o Brasil. Estamos tendo a garantia de emprego o ano todo e por muito tempo”, comemora Cris. Ela, no entanto, não pensa duas vezes antes de responder qual é o maior obstáculo no desenvolvimento da modalidade aqui: “O esporte evoluiu desde que comecei [em 2002] porque as jovens têm mais oportunidades hoje em dia. Mas a gente sempre tropeça no preconceito quando mostramos que futebol também é coisa de menina; eu enfrento isso até hoje”.

O Brasil volta a campo pelo Mundial na próxima quinta-feira, 13 de junho, às 13h (horário de Brasília), contra a Austrália. Forte no cenário feminino, a seleção da Oceania eliminou as brasileiras nas quartas de final da última Copa, em 2015, mas estrearam na edição de 2019 perdendo de virada para a Itália, o que a obriga a vencer a partida contra o Brasil. “A confiança aumentou [com o 3 a 0 na estreia]”, admitiu Cris na saída do estádio em Grenoble. “Sabíamos que as nove derrotas tinham que ficar para trás e o que importa é o presente”. Para o desafio, Marta, com uma lesão, ainda não está garantida: “Quem vai escalar é o departamento médico, não eu”, disse o treinador Vadão, mais tranquilo após a vitória contra a Jamaica com a certeza de que Cristiane é capaz de compensar a ausência da melhor jogadora do mundo. Se a 10 não estiver em campo, a 11 estará.