Candidaturas LGBT, feministas e negras se elegem do Norte ao Sul do Brasil

Movimentos identitários elegem representantes e dão nova cara às Câmaras municipais

Fonte: Revista Fórum

Se ao fim da apuração das urnas o primeiro turno das Eleições 2020 revelou avanço dos partidos de centro e direita, há um outro dado que marca uma virada no que diz respeito a composição das Câmaras Municipais ao redor do Brasil: do Norte ao Sul do país foram eleitos mandatos coletivos, candidatas trans, feministas e representantes do movimento negro.

Isso também mostra que os movimentos identitários empurram as estruturas partidárias a repensarem as suas respectivas relações com as militâncias do século XXI.

Ainda que boa parte dessas candidaturas eleitas estejam no espectro do centro e da esquerda da política nacional, há também vereadores LGBT que se elegeram por partidos da direita tradicional, é o caso de Thammy Gretchen, que se elegeu pelo Partido Liberal, legenda com histórica ligação com políticos fundamentalistas.

Outro fato que deve ser destacado é que algumas dessas candidaturas tiveram votações expressivas, como foi o caso de Duda Salabert, que se elegeu vereadora por Belo Horizonte com votação recorde na história da capital mineira. Na cidade de São Paulo tivemos Erika Hilton, que foi a sexta mais votada.

Câmaras municipais com histórico de apenas eleger pessoas brancas também recebem, a partir do ano que vem, representantes do movimento negro, é o caso de Matheus Gomes (PSOL), militante do movimento negro que foi eleito em Porto Alegre; Benny Briolly, militante trans e do movimento antirracista que se elegeu em Niterói e Renato Freitas (PT), militante da juventude, do movimento negro e da cultura, que foi eleito em Curitiba.

Por fim, é importante destacar que essas candidaturas estão espalhadas pelo Brasil, o que representa uma capilarização dos movimentos feministas, LGBT e negro por toda extensão territorial do Brasil.

A lista que você confere a seguir é fruto de levantamento da redação da Revista Fórum, mais os levantamentos da Mídia Ninja e do portal Põe na Roda.

Sudeste

Erika Hilton (POSL/SP),
Thammy Miranda (PL/SP)
Monica Benicio (PSOL/RJ)
Tainá de Paula (PT/RJ)
Duda Salabert (PDT/MG)
Amanda Gondim (PDT) – Uberlândia (MG)
Anabella Pavão (PSOL) – Batatais (SP)
Bella Gonçalves (PSOL) – Belo Horizonte (MG)
Benny Briolly (PSOL) – Niterói (RJ)
Carolina Iara (PSOL) – Mandato Coletivo Bancada Feminista – São Paulo (SP)
Dandara (MDB) – Patrocínio Paulista (SP)
Daniel Cabral (PC do B) – Viçosa (MG)
Duda Hidalgo (PT) – Ribeirão Preto (SP)
Duda Salabert (PDT) – Belo Horizonte (MG)
Elaine do Mandato Coletivo “Quilombo Periférico” (PSOL) – São Paulo (SP)
Fernanda Curti (PT) – Guarulhos (SP)
Filipa Brunelli (PT) – Araraquara (SP)
Icaro Reveles (PDT) – Várzea Grande (MG)
Isabelly Carvalho (PSB) – Limeira (SP)
Iza Lourença (PSOL) – Belo Horizonte (MG)
Keit Lima (PSOL) – São Paulo (SP)
Monica Benício (PSOL) – Rio de Janeiro (RJ)
Nathan (PT) – Jequitinhonha (MG)
Paolla Miguel (PT) – Campinas (SP)
Rebecca Barbosa (PDT) – Salesópolis (SP)
Rihana da Floricultura (PDT) – Mineiros do Tietê (SP)
Samara Sostenes do Mandato Coletivo “Quilombo Periférico” (PSOL) – São Paulo (SP)
Walkíria Nictheroy (PC do B) – Niterói (RJ)

Sul

Brenda Ferrari (PV) – Lapa (PR)
Carla Ayres (PT) – Florianópolis (SC)
Renato Freitas – Curitiba- (PT/PR)
Daiana Santos (PC do B) – Porto Alegre (RS)
Jana Guedes (PDT) – Videira (SC)
Matheus Gomes (PSOL) – Porto Alegre (Rio Grande do Sul)

Nordeste

Linda Brasil (PSOL/SE) Aracaju
Kaique Freire (PV) – Estância (SE)
Jhonatan Alves Soares (PT) do Mandato Coletivo “Nós” – São Luís (MA)
Laina Crisóstomo (PSOL) – Salvador (BA)
Adriana do Mandato Coletivo “Nossa Cara” (PSOL) – Fortaleza (CE)
Vinicius Castello (PT) – Olinda (PE)

Norte

Brisa (PT) – Natal (RN)
Bia Caminha (PT) – Belém (PA) –
Biga Kalahri (PT) – Santarém (PA)
Felipe Alves (PDT) – Natal (RN)
Vivi Reis (PSOL) – Belém (PA)