As Novidades e Mudanças na NBA 2017/18

Por Roberto Junior

Novo logo

O logo antigo à esquerda e o novo a direita

 

A NBA passará por algumas mudanças significativas para essa temporada, uma delas é o logo da liga, que vinha sendo o mesmo desde a temporada 1971/72 (a silhueta que aparece no desenho é do jogador Jerry West, do Los Angeles Lakers). As principais mudanças se dão pela troca dos tons de cores utilizados e a tipografia (fonte Action, desenhada por Erik van Blokland).

Também teremos uma atualização nos logotipos usados ​​nos canais de mídia digital e social da NBA, bem como em transmissão, eventos e mercadorias.

Novo desenho (a direita), será usado nos canais digitais da NBA e merchandising

“Este olhar modernizado atinge o equilíbrio certo entre honrar nosso logotipo emblemático e permitir-nos ser consistentes e nos adaptar às mudanças nas paisagens digitais e de mídia”, disse Pam El, diretora de marketing da NBA.

Já os uniformes dos times e equipamentos esportivos só ganharão o novo logo após a temporada 2017-2018.

A criação foi da agência de Nova York OCD.

 

Novo fornecedor de material esportivo

 

                Nike é a nova parceira da NBA

 

Logo quando confirmada a mudança, uma das tradições do basquete americano foi quebrada, a Nike será a primeira empresa a exibir seu logo nos uniformes utilizados pelos jogadores em quadra (até então, a liga impedia a exposição de patrocínios nas partidas).

No acordo válido por oito anos, a Nike pagou em torno de 1 bilhão de dólares para substituirá a Adidas depois de onze anos, esse esforço faz sentido ao pensarmos que a Nike chegou ao patamar que está hoje muito devido a sua ligação com o basquete, patrocinando astros do basquete como Michael Jordan (lançando a marca Air Jordan), a linha Air Force, Kobe Bryant, e atualmente nomes como KD, LeBron, Irving e Paul George ( a Nike também é proprietária da Converse, empresa de tênis que eram fabricados no início para prática do basquete).

O presidente e CEO da marca, Mark Parker disse: “Com a Nike, Jordan e Converse, temos três das marcas mais conectadas do mundo e miramos o crescimento global do jogo como estratégia de sucesso para a Nike e a NBA. ”

Apenas o Charlotte Hornets não usará o swoosh, mas o motivo é nobre, o logo da Air Jordan estará estampado no uniforme por causa do proprietário da franquia, ninguém menos que Michael Jordan.

Outra novidade trazida pela Nike, é a possibilidade de acessar informações da sua equipe através de um aplicativo, que será aberto após conectado a etiqueta da camisa, localizada na parte inferior (NikeConnection), trazendo assim também menos dúvida com relação a autenticidade dos produtos (se trata de um chip colocado em todas as camisas que serão vendidas pelo mundo).

No aplicativo, há as informações gerais, como calendário, resultados, estatísticas, promoções feitas pela NBA e pela Nike, além vídeos com a chegada das equipes e também os melhores momentos.

“Nós sabemos o que podemos fazer: produzir uniformes espetaculares. Mas nós queríamos fazer algo a mais e sabemos da paixão que os consumidores têm por seus jogadores e times”, afirmou Stefan Olander, vice-presidente de inovações digitais da Nike

Além da NBA, a Nike seguirá como parceira na WNBA e atuará também na Liga de Desenvolvimento da NBA (D-League).

 

 Inclusão de patrocínios nos uniformes

 

O Boston Celtics exibe o “brand” da General Eletric, por 8 milhões de dólares por ano.

 

É a primeira vez que veremos nas quatro grandes ligas americana (NFL, NBA, MLB e NHL), patrocínios presentes no uniforme (sem contar os fornecedores de materiais esportivos).

Os donos das franquias da NBA aceitaram a inserção de patrocínios nos uniformes das equipes pelos próximos três anos, como um período de teste.

Os logos dos patrocinadores serão pequenos (máximo de 2,5 por 2,5 polegadas), ficando do lado esquerdo da camisa, na altura do ombro, paralelo aos símbolos da Nike.

Foram impostas limitações nos patrocínios pela NBA, assim empresas de bebida, casa de apostas e mídias não serão permitidas.

 

Os Celtics, por exemplo, têm parceria com uma empresa de equipamentos eletrônicos, que além de expor sua marca na camisa, fica responsável por fornecer aparelhos de última geração para análise de desempenho dos atletas e prevenção de lesões. Somados a isso, as duas marcas se comprometeram a realizar ações para a comunidade em Boston (sedes do time e da empresa).

O lucro dos patrocínios será dividido pela metade, uma parte fica com o time e a outra é incorporada ao rendimento geral da liga, que é dividido de maneira igualitária entre as franquias.

Em entrevista, Adam Silver afirmou que o projeto de patrocínios visa a expansão global da liga, ampliando o alcance das marcas com outros mercados além do americano.

 

Temporada regular

 

LeBron James foi poupado em alguns jogos do CAVS

Visando “desafogar” o calendário, para evitar que as equipas descansem jogadores nos jogos, a Liga decidiu começar a temporada dez dias mais cedo (a temporada se iniciou no dia 17 de outubro).

Desde o ano passado, a NBA vem tentando fazer com que o calendário de jogos seja menos exaustivo para jogadores e que os jogos em dias seguidos (os back to backs) sejam cada vez mais raros.

A TV e os torcedores se sentiram lesados e reclamaram, na temporada passada, quando muitos times pouparam suas maiores estrelas, tirando um pouco o brilho do evento

A liga manifestou-se sugerindo que os jogadores sejam poupados em jogos que seu time está atuando como mandante, pois os torcedores locais terão mais oportunidades de verem seus astros mais vezes.

A TV, que paga um bom dinheiro para transmitir os jogos, se sentiu desprestigiada quando os times pouparam suas maiores estrelas em jogos principalmente para TV aberta, com transmissão para todos os Estados Unidos, assim a NBA se viu na obrigação de tomar alguma atitude e achar uma “solução” (foi a mais viável, já que se tem mais datas para transmissão e divulgação dos jogos devido ao maior espaçamento dos jogos visando a TV, e também diminuindo sequencias de partidas para as franquias visando uma maior pausa e maior descanso aos jogadores).

A multa consiste em 100 mil dólares para as franquias que pouparem atletas saudáveis em partidas transmitidas nacionalmente (pela ESPN, ABC e TNT) e para as equipes que descansarem múltiplos nomes saudáveis num só jogo (mesmo assim, caso poupados, estes jogadores deverão estar presentes e interagir com os fãs).

Sendo assim, a mudanças foram dadas pelo menor número de back-to-backs (quantidade de jogos em noites consecutivas diminuiu mais uma vez, cada time terá 14,9 sequências dessas, enquanto na passada cada franquia teve 16,3 por franquia), fim da sequência de quatro jogos em cinco noites, aumento do número de jogos no final de semana (antes os jogos no sábado e domingo totalizavam 549, agora serão 568) e menos sequências de cinco jogos em sete noites (antes cada time fazia essa rotina três vezes, agora somente 1,3).

 

Budget

        O teto salarial cresce a cada temporada

A NBA aumentou em 5 milhões de dólares o teto salarial para essa temporada, mas o valor é menor que o esperado

Os salários na NBA estão subindo, e para esta nova temporada esperava-se que o teto salarial subisse para US$ 101 milhões, mas isso não aconteceu, o novo limite salarial foi fixado em 99,093 milhões de dólares para a temporada 2017/18.

Consequentemente, o salário mínimo das equipes, que é fixado em 90% do limite salarial, é de US$ 89,184 milhões para 2017/18.

Além disso, algumas situações não são contabilizadas para o salary cap, é a chamada Luxury Tax”, o novo limite para o pagamento de imposto adicional será de US$ 119,266 milhões.

Já vimos o efeito do aumento, com as renovações de contrato de Blake Griffin com o Los Angeles Clippers por 173 milhões de dólares, a de Stephen Curry com o Golden State Warriors por 205 milhões de dólares, além de Westbrook por 205 milhões de dólares (quantia recorde na história da NBA).

 

Mudanças no All Star game

All Star será no Staples Center, em Los Angeles.

 

Talvez o formato do All Star Weekend era o que mais precisava ser mudado na NBA, logo, houve uma mudança na tentativa de trazer novos fatores para o jogo comemorativo.

No novo formato, cinco jogadores de cada conferência serão eleitos titulares, votados pelos torcedores, mídia e os próprios atletas da NBA. Os sete reservas serão selecionados pelo treinador de cada conferência. A partir daí o mais votado de cada equipe será considerado capitão e irá escolher quem quiser para jogar em seu time, independentemente da conferência e do status de titular/reserva.

Em 2018, cada time irá escolher uma instituição de caridade para representar e receber doações.

“Estou entusiasmado com o que os jogadores e a liga têm feito para melhorar o All Star Game, o que tem sido uma prioridade para todos nós. Estamos ansiosos para fazer um show divertido em LA”, afirmou Chris Paul, presidente da associação de jogadores, em comunicado oficial.

O principal motivo da mudança, apesar de não ser admitido pela liga, é a grande concentração de talento na Conferência Oeste, para onde alguns jogadores que podem figurar no All Star Game migraram, com destaque para Paul George e Carmelo Anthony (que estão juntos no Oklahoma City Thunder), Jimmy Butler (reforço dos Timberwolves) e Dwight Howard (contratação do Charlotte Hornets).

Os titulares e capitães serão anunciados no dia 18 de janeiro, os treinadores continuam sendo definidos pelas melhores campanhas até duas semanas antes do All-Star Game e comandarão os times dos capitães de mesma conferência (lembrando que Steve Kerr, do Golden State Warriors, e Brad Stevens, do Boston Celtics, estão inelegíveis por terem comandado os times em 2017).