Análise: Santos é corajoso, joga tudo o que sabe e atropela mais um pelo tetra da Libertadores

Peixe chega à sua quarta decisão ao vencer o Boca Juniors por 3 a 0 na Vila Belmiro

Fonte: Globo Esporte

Se tivesse acordado nesta quinta-feira, depois de ter adormecido em março de 2020, quando o Santos ainda estreava com Jesualdo Ferreira e lidava com muito sofrimento na Libertadores… você acreditaria que o time, agora comandado por Cuca, está na final da competição mais importante do continente?

Pois é, santista, aconteceu.

Nesta quarta-feira, é bom explicar para você, que pode ter chegado de surpresa por aqui, o Santos, após muita desconfiança e só “4% de chance”, venceu o Boca Juniors por 3 a 0 na Vila Belmiro e se classificou para a final da Libertadores. Em uma noite impecável, jogou tudo o que sabe e atropelou mais um concorrente, como já havia feito com o Grêmio nas quartas de final.

Precisando de uma vitória simples depois do empate por 0 a 0 na Bombonera, o Santos pressionou o Boca Juniors desde os primeiros minutos na Vila Belmiro. Logo de cara, Marinho acertou a trave, como se dissesse: “Não vamos deixar vocês respirarem”.

E realmente não deixou. No primeiro tempo, os argentinos finalizaram uma só vez, em uma bola praticamente entregue às mãos do goleiro João Paulo. De tanto martelar, e em um lance de muita insistência, Diego Pituca abriu o placar. Era só uma amostra do que o segundo tempo reservava.

O Santos entrou em campo com quatro atacantes: Soteldo, como meia, Marinho, pela direita, Kaio Jorge, centralizado, e Lucas Braga, pela esquerda. O time, porém, atacava com muito mais gente.

Cuca comandou, com maestria, o Santos rumo à final da Libertadores — Foto: Santos FC / divulgação
Cuca comandou, com maestria, o Santos rumo à final da Libertadores — Foto: Santos FC / divulgação

Disposto a correr riscos para se classificar à final, o Santos só não atacava com seus zagueiros. Os demais jogadores pressionavam o Boca Juniors no campo de defesa e não deixavam os argentinos pensarem. Quando não tinha a bola, o Peixe recuava muito rapidamente e não dava oportunidades para o adversário puxar contra-ataques. Com linhas próximas e uma marcação compacta, o setor defensivo, mais uma vez, foi perfeito.

No segundo tempo, o Santos transformou todo o domínio em gols. Em poucos minutos, Soteldo e Lucas Braga definiram o placar na Vila Belmiro. Depois disso, a partida praticamente acabou.

Com a classificação resolvida, e o Boca pouco disposto a jogar futebol, o Santos só administrou e comemorou ao apito final.

Por isso, santista, se você acordou agora, depois de uma longa temporada de sono, acredite: o Santos pode ser tetra da Libertadores!